Newsletter
Subscreva a nossa newsletter

Conheça as novidades do digital, leia notícias relevantes para a sua empresa, aprenda estratégias que pode implementar na prática e conheça os projetos e case-studies Lendarius. Mantenha-se sempre informado de forma fácil e rápida.

    Li e concordo com a Politica de Privacidade da Ndigital.

    10 práticas essenciais de segurança web

    práticas essenciais de segurança web


    Uma grande parte do nosso quotidiano atual está centrada na Internet, sendo essa presença notável tanto no ambiente profissional quanto educacional, e até mesmo nas interações com amigos e conhecidos, daí a importância de estar a par de algumas práticas essenciais de segurança web.

    De acordo com o Relatório Digital 2023, do DataReportal, havia 8,73 milhões de utilizadores de Internet em Portugal no início de 2023, quando a penetração da Internet era de 85,1 por cento. Os dados da Ookla revelam que a velocidade média da ligação à Internet móvel em Portugal aumentou 17,20 Mbps (+37,6 por cento) nos doze meses anteriores ao início de 2023.

    Quantos mais contas e dispositivos tiver, maior é a vulnerabilidade a cibercriminosos e maior é a importância de conhecer práticas essenciais de segurança web. Portanto, é crucial compreender as diretrizes de segurança online que resguardam os seus dados e dispositivos contra ameaças. Continue a ler para conhecer os principais riscos na Internet e formas de manter a sua segurança online.

    A Web3 representa uma nova fase na tecnologia que está a emergir, prometendo transformar a nossa interação com a Internet e com outros utilizadores. Esta era inovadora é marcada pela utilização de criptomoedas, contratos inteligentes e protocolos descentralizados, eliminando a necessidade de intermediários como bancos e governos em transações.

    Esse formato torna as transações mais seguras e confiáveis, ao mesmo tempo que concede às pessoas um maior controlo sobre os seus dados pessoais. A importância da Web3 vai além, pois pode desempenhar um papel significativo na redução da desigualdade social e económica. Isso ocorre ao proporcionar novas oportunidades de inclusão financeira e acesso a serviços financeiros para aqueles que anteriormente estavam excluídos dessas possibilidades.

    Contudo, apesar de todas as vantagens proporcionadas pela Web3, surgem novos desafios de segurança. Isso ocorre devido à ausência, na Web3, da proteção oferecida por intermediários de confiança, como acontece nas transações financeiras tradicionais, por exemplo. Portanto, é crucial que as pessoas adquiram conhecimento sobre as melhores práticas de segurança na Web3, possibilitando assim uma navegação confiante e segura.

    Os principais perigos na web

    Ao utilizar a Internet, expõe-se, muitas vezes sem perceber, a uma série de potenciais ameaças online. Os ambientes digitais estão em constante mutação, à medida que os criminosos cibernéticos desenvolvem novas estratégias para afetar os utilizadores da Internet. Aqui está uma lista de apenas alguns dos principais perigos online aos quais é crucial estar atento:

    1. Roubo de identidade.
    2. Violações de dados.
    3. Malware e vírus.
    4. E-mails de phishing e fraudes.
    5. Sites falsos.
    6. Cyberbullying.
    7. Configurações de privacidade inadequadas.
    8. Roubo de criptomoedas.
    9. Contratos inteligentes maliciosos.

    Práticas essenciais de segurança web

    A fim de prevenir todos esses riscos, sugerimos adotar as nossas orientações fundamentais de segurança online durante a sua navegação na Internet:

    1. Certifique-se de que está a usar uma conexão à Internet segura

    Embora não seja aconselhável o uso de Wi-Fi público, há momentos em que se torna inevitável quando está fora de casa. No entanto, ao utilizar uma conexão Wi-Fi pública em locais públicos, não tem controlo direto sobre a sua segurança, o que pode deixá-lo suscetível a ataques cibernéticos. Se estiver a utilizar Wi-Fi público, evite realizar transações pessoais que envolvam dados confidenciais, como aceder a contas bancárias online ou realizar compras pela Internet.

    Caso seja necessário realizar tais ações, é recomendável o uso de uma Rede Privada Virtual (VPN). Uma VPN protege os dados transmitidos por uma rede insegura através de criptografia em tempo real. Se não estiver a utilizar uma VPN, evite realizar transações pessoais até que possa aceder a uma rede confiável. Já conhece a extensão VPN gratuita da Google?

    2. Escolha passwords fortes

    As passwords representam um dos maiores pontos de vulnerabilidade em termos de cibersegurança. Muitas vezes, as pessoas optam por passwords fáceis de lembrar, tornando-as suscetíveis a serem descobertas por hackers usando software de hacking. Além disso, o uso da mesma password para vários sites aumenta ainda mais o risco dos seus dados. Se os hackers conseguirem obter as suas credenciais de um site, podem aceder a outros sites que partilham os mesmos detalhes de login.

    Escolha passwords robustas que sejam mais difíceis de serem descobertas por criminosos cibernéticos. Uma password forte deve atender a estes critérios:

    1. Ser longa – composta por, pelo menos, 12 caracteres (preferencialmente mais).
    2. Incluir uma combinação de caracteres – letras minúsculas e maiúsculas, símbolos e números.
    3. Não usar números em sequência (“1234”) ou informações pessoais que alguém que o conheça possa adivinhar (ou que já estejam disponíveis online), como a data de nascimento ou o nome do seu animal de estimação.
    4. Evitar padrões no teclado que sejam fáceis de memorizar.

    O uso de um gestor de passwords pode ser útil para criar passwords robustas, armazená-las num cofre digital protegido por uma única password principal e recuperá-las pelo login numa conta principal.

    3. Ative a autenticação de dois fatores, sempre que possível

    A Autenticação Multifatorial (MFA) é um método de verificação que requer que os utilizadores forneçam dois ou mais tipos de informações para aceder a uma conta online. Em vez de apenas solicitar um nome de utilizador e uma password, a autenticação por múltiplos fatores pede informações adicionais, tais como:

    1. Uma password única adicional, enviada pelos servidores de autenticação do site para o telemóvel ou endereço de e-mail do utilizador.
    2. Respostas a perguntas de segurança pessoais.
    3. Uma impressão digital ou outra informação biométrica, como reconhecimento facial ou por voz.

    A implementação da autenticação multifatorial reduz a probabilidade de um ataque virtual bem-sucedido. Para aumentar a segurança das suas contas online, é aconselhável adotar a autenticação por múltiplos fatores sempre que possível. Além disso, considerar o uso de apps autenticadoras de terceiros, como o Google Authenticator ou o Authy, pode contribuir para reforçar a segurança na Internet.

    4. Garante que o software e os sistemas operacionais atualizados

    As organizações responsáveis pelo desenvolvimento desses produtos estão constantemente empenhadas em torná-los seguros, monitorizando as ameaças mais recentes e disponibilizando correções de segurança para lidar com eventuais vulnerabilidades nos seus softwares. Ao utilizar as versões mais recentes do seu sistema operacional e apps, usufrui das últimas correções de segurança. Isso é particularmente crucial para apps que contêm informações sensíveis, como dados de pagamento, informações de saúde ou outros detalhes confidenciais dos utilizadores.

    5. Verifique se os sites são seguros e confiáveis antes de interagir com eles

    É essencial garantir que qualquer site que visite, especialmente aqueles em que realiza transações (como sites de comércio eletrónico), seja confiável. Um indicador crucial a ser observado é a presença de um certificado de segurança/SSL. Isso envolve procurar URLs que comecem com “HTTPS” em vez de “HTTP” (o “S” significa “seguro”) e que exibam um ícone de cadeado na barra de endereço. Outros sinais de confiança incluem:

    1. Texto sem erros de ortografia e gramática. Marcas respeitáveis esforçam-se para garantir que os seus sites sejam bem escritos e revistos.
    2. Imagens nítidas e que se ajustem corretamente ao ecrã.
    3. Ausência de mudanças abruptas de cor ou tema. Em alguns casos, alterações subtis na cor ou no design, quando os utilizadores interagem com um site específico através de um link, podem indicar possível falsificação.

    6. Analise as suas configurações de privacidade e compreenda as políticas de privacidade

    Os hackers podem obter muitas informações observando os seus padrões de navegação e as suas atividades em redes sociais. No entanto, pode controlar a quantidade de informações acessíveis a terceiros. Tanto os navegadores da web quanto os sistemas operacionais em dispositivos móveis oferecem configurações para proteger a sua privacidade online. Redes sociais, como Facebook, Instagram, LinkedIn e outras, têm configurações de privacidade que pode ativar. É útil reservar um tempo para rever as suas configurações de privacidade de forma abrangente e garantir que estejam ajustadas a um nível com o qual se sinta confortável.

    Muitos de nós aceitamos políticas de privacidade sem realmente lê-las, mas, considerando a quantidade de dados utilizados, é uma boa ideia rever as políticas de privacidade e as apps que utiliza para entender como os seus dados são recolhidos e usados. No entanto, é importante ter em mente que mesmo quando as configurações estão definidas como privadas, poucos dados online são completamente invioláveis. Hackers, administradores de sites e autoridades legais ainda podem ter acesso a informações que consideramos privadas.

    Um clique inadvertido pode expor as suas informações pessoais online ou infetar o seu dispositivo com malware. Portanto, é crucial navegar com consciência e evitar certos tipos de conteúdo online, como links de fontes não confiáveis e e-mails de spam.

    Se receber um e-mail sobre o qual não tem certeza, evite clicar em qualquer link nele ou abrir anexos.

    Se estiver incerto quanto à legitimidade de um e-mail, vá diretamente à fonte. Por exemplo, se receber um e-mail suspeito do seu “banco”, entre em contacto com o banco por telefone para verificar a autenticidade do e-mail.

    Ao visitar um site, certifique-se de que os links direcionam para tópicos relevantes ou esperados. Por exemplo, se clicar num link que deveria ser sobre viagens para Paris, mas for redirecionado para uma página sensacionalista sobre ganhar dinheiro fácil, feche a página imediatamente.

    8. Garanta a segurança dos seus dispositivos

    Os números da GSMA Intelligence indicam que as ligações móveis em Portugal equivaliam a 171% da população total em Janeiro de 2023.

    Para todos os seus dispositivos, como telemóveis, computadores, tablets, smartwatches, smart TVs, entre outros, é recomendável adotar boas práticas de segurança, como a utilização de passwords e outras opções de proteção, como leitores de impressão digital ou tecnologia de reconhecimento facial. Essas precauções ajudarão a diminuir a probabilidade de um ataque cibernético ou de roubo dos seus dados pessoais por parte de hackers.

    9. Realize cópias de segurança dos seus dados de forma regular

    É crucial criar cópias de segurança de informações pessoais importantes em discos rígidos externos e renovar esses backups regularmente. O ransomware, um tipo de malware, é uma ameaça em que cibercriminosos bloqueiam o acesso aos seus arquivos valiosos. Realizar backups dos seus dados contribui para reduzir o impacto de um ataque de ransomware. Para uma proteção adicional, é aconselhável utilizar um software de segurança adequado. Outras formas de malware podem negar o acesso aos seus dados pessoais, sobrecarregando o sistema ou excluindo arquivos, portanto, é importante estar atento.

    10. Cuidado com o que transfere

    Um dos principais objetivos dos criminosos cibernéticos é persuadi-lo a fazer download de malware, que pode ser utilizado para abrir uma “porta” na sua máquina. O malware pode disfarçar-se de app, desde um jogo popular até um programa de verificação de tráfego ou previsão do tempo. Também pode estar oculto num site malicioso.

    O malware causa danos, como roubo dos seus dados pessoais ou acesso não autorizado ao seu dispositivo. Isso geralmente requer alguma ação de sua parte, mas também existem os chamados “drive-by downloads”, nos quais um site tenta instalar software no seu computador sem pedir permissão primeiro. Pense cuidadosamente antes de transferir qualquer coisa para o seu dispositivo e faça o download apenas de conteúdo de fontes oficiais e confiáveis. Verifique sempre as suas pastas de download e, se arquivos desconhecidos aparecerem no seu sistema (possivelmente devido a um “drive-by”), exclua-os imediatamente.


    PUB
    Total
    0
    Shares
    Related Posts